Home / Vida de Mãe / Maternidade / Resenha: Turma do Peito (The Letdown)

Resenha: Turma do Peito (The Letdown)

Recentemente, estreou na Netflix a segunda temporada de Turma do Peito (ou The Letdown, em inglês). Aproveitando a estreia, decidi finalmente trazer a minha resenha sobre a série.

Eu ainda não terminei de assistir a segunda temporada, (na verdade eu acabei de começar), mas só a primeira temporada, que conta com apenas 7 episódios, já nos fornece assunto suficiente para essa primeira resenha.

Para quem ainda não conhece, Turma do Peito é uma série de comédia australiana feita em parceria entre a ABC e a Netflix e estreou em 2016. A série mostra a vida de Audrey, vivida por Alison Bel, uma das criadoras e escritoras da série, que acabou de se tornar mãe e começa a enfrentar todos os dilemas e dificuldades dessa nova fase.

O diferencial de Turma do Peito é a maneira como os desafios da maternidade são abordados. De uma maneira muito real e honesta, a série desromantiza aquela velha imagem de o que é “ser mãe” e mostra que a realidade é cheia de amor, mas também cheia de incertezas, dores, stress e noites em claro.

As mudanças que chegam atreladas ao se tornar mãe são diversas e na maioria das vezes, são simplesmente ignoradas por nós, mães, e por todos ao nosso redor. Nossos relacionamentos com a família, amigos, nós mesmas e o com o mundo em geral ficam completamente distorcidos, e a série retrata isso de uma maneira cômica, mas sem deixar de ser um soco no nosso estômago.

Turma do Peito também nos mostra que não existe mãe perfeita, que existem formas diferentes de aprendermos a equilibrar (ou não) as nossas vidas, vivendo um dia de cada vez. Questionamentos, exaustão, frustração, comparação… tudo isso faz parte da vida daqueles que acabaram de ter um bebê!

Outra coisa que faz com nós, mães, desejássemos que Turma do Peito fosse conteúdo obrigatório e que fosse transmitida em telões por todo o mundo é abordar a importância e valor da rede de apoio e também a diversidade entre os tipos de mães.

Então, se você é, deseja se tornar, convive com uma ou tem curiosidade sobre as mães, não deixe de assistir Turma do Peito. Chama aquela pessoa que adora dar palpite na sua vida para maratonar com você, é rapidinho 😉

Related Post

Comments

comments

About Raissa

Check Also

Stranger Things 3

Lançamentos – Julho/2019

É muito tarde para comentarmos sobre os lançamentos do mês de julho? Hoje eu finalmente …

5 comments

  1. Eu não sou mãe, mas fiquei muito curiosa com essa série, acho que o tema que ela aborda é muito importante. Adoro séries que mostram a vida real, como as coisas realmente são

  2. Ai gente, acredita que eu ainda não tinha visto esse série no catálogo na Netflix? Preciso assistir porque pela sua resenha eu já gostei bastante.
    Adoro ver produções sobre maternidade.

  3. Eu não sou (nem pretendo ser) mãe… não é para mim, não curto gravidez, não gosto de crianças e nada me perturba tanto quanto choro de babys. Mas, entendo e tenho vontade de esganar quem se intromete na criação do filho do outro. Uma amiga, passou por isso várias vezes e eu tinha vontade de estrangular o ser humano cheio de opinião.
    Me lembro que em uma festa, ela precisou amamentar e a dona do lugar veio pedir para ela fazer isso num cantinho fora do alcance dos olhos de seus convidados para não incomodá-los. Oi?
    Enfim, te entendo quando diz que dá vontade de passar em um telão para todos verem.

    bacio

  4. Olá!
    Não conhecia esta série, eu sou mãe e seu bem os desafios da maternidade. Kkkk
    Vou assistir.
    Abraços

  5. Eu simplesmente AMEI o título da série, ainda mais sabendo que ela saiu mais ou menos na mesma época que The Get Down na Netflix, então existe uma referência mútua aí ainda que as temáticas sejam tão diferentes (e é uma das minhas favoritas da vida, então sou suspeita).
    Fico chocada em como tem esse tipo de conteúdo super importante, que faz pensar, escondidinho na Netflix sem muita divulgação. Eu sequer tinha ouvido FALAR dela, até hoje! E maternidade compulsória é um assunto tão importante pra gente discutir, né? Tanto pro lado de quem não quer ser mãe como pro de quem QUER ou É e sofre ainda mais com essa romantização toda que tá enraizada na sociedade. Muito obrigada por essa indicação maravilhosa, vou adicionar na minha lista agora!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *